Sobre dietas e afins

decisao comida

Já não é de hoje que questões alimentares têm sido debatidas por meios de comunicação. Enquanto revistas de beleza determinam padrões absurdos de magreza, campanhas bacanas estimulam a aceitação e o amor próprio. Li recentemente três textos que me chamaram a atenção e divido as considerações aqui, com vocês.

O primeiro deles foi um texto da Vogue intitulado “Comer pra quê? Fazer jejum está na moda. Saiba mais sobre a dieta da vez” (leia aqui). Nele, são dados relatos e justificativas para que as pessoas passem por períodos de jejum recorrentes.

O segundo é um desabafo de um blogueiro de culinária. Ele tem recebido diversas críticas às suas receitas, pois, segundo alguns leitores, são ricas em gordura e calorias. Em resposta ele fala do culto ao corpo, dos alimentos que se dizem saudáveis e possuem muito sódio e gordura e como as pessoas perderam o prazer em comer. E em uma parte do texto ele diz “Minha avó morreu feliz, diabética, comendo doces todos os dias. Eu posso até morrer mais cedo pelas opções que faço ao comer, mas sei que estarei feliz assim”.

Por fim, o terceiro texto. Essa semana, a Debs (citação recorrente por aqui) fez um post muito bom, comentando sobre as novas ondas no setor de beleza e saúde: a galera fitness e os blogs de aceitação – que seguem a linha Dove, da real beleza. No texto, ela se questiona onde ela entra nessa história, já que não é maromba nem plus. E por isso não se sente parte de um nicho.

O que eu quero com tudo isso? Dizer que escolhi o meio termo. E sou feliz assim. Como profissional de saúde não posso concordar em uma dieta que priva o organismo de nutrientes (vitaminas, minerais, sem falar em fibras e outros açúcares, gorduras e proteínas). Todos esses componentes são necessários para o bom funcionamento do nosso corpo e precisam ser ingeridos diariamente. Mas também não apoio com quem come sem limites de quantidade e qualidade. Quem sou eu pra dizer o que alguém deve ou não comer, mas acho que uma pessoa adulta e consciente sobre sua saúde não deveria se comportar dessa forma. Até porque, morrer é a menor complicação que pode vir de um diabetes descontrolado ou de uma hipertensão. Acredite.

Não consigo viver comendo peito de frango, batata doce e omelete de claras. Mas também não vou comer de forma irresponsável e descontrolada. Como salada e fruta todo dia, evito frituras, refrigerante e doces durante a semana. Mas se saio pra comer, não vou me privar de comer e beber bem, só que em quantidades razoáveis (risos). E caminho diariamente, já que não aguento academia por muito tempo. Sei que por conta das minhas escolhas não sou magra, mas tô tranquila com isso.

Pra mim, o primeiro passo para ser feliz com o seu corpo não é emagrecer, é se aceitar. O segundo, pensar na sua saúde acima de tudo. E por fim, não se privar de algumas escapadas na dieta. Comer é e deve ser prazeroso, mas não devemos fazer da jaca uma pantufa sempre. ;)

patricia

Anúncios
Esse post foi publicado em Tentando emagrecer e marcado , , . Guardar link permanente.

2 respostas para Sobre dietas e afins

  1. Marcela de Vasconcellos disse:

    Ah a tal da moderação. Adoro quando leio gente que entende o sentido dessa palavra.

    Belíssimo texto, parabéns.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s